Minha cidade, uma Capital Econômica

A cidade que nasci completará 59 anos. Tão alegre essa Capital Econômica onde vivemos, com suas ruas, esquinas, praças, lugares onde moramos com nossas famílias.

Mas não gosto de citar só esquinas, pois existe também um povo batalhador que merece ser lembrado e aplaudido. As esquinas são para fotografar, para encontrar, desencontrar, atravessar, pintar, descrever. O povo é para ser enaltecido, pois enche de vaidade e orgulho o estado do Piauí. Caminhar pela cidade e pensar. Quando dobramos a esquina o caminho continua, o destino, o desejo também. Lembrar-se do seu povo e compreender que a cidade é feita de gente guerreira, que trabalha com dedicação e humildade. E lá pelo meio da quadra que ele amadurece, fortalece. O pensamento voa pelo caminho, pela rua que passamos e pelo povo que o faz. E lá pelas tantas vira aprendizagem. Aprendemos a viver nessa cidade, que nos dá uma lição a cada dia.

Quando nos afastamos, a lembrança vai colorindo em matizes de várias formas. Como o pôr-do-sol. Só quem é aguabranquense sabe o segredo.

A esquina, o entardecer. Água Branca, tudo te ilumina. 

 

 

Posso te oferecer como presente um poema ou uma música porque toda festa deve ser animada e sonhada.

O Mapa (Mario Quintana)
Olho o mapa da cidade
Como quem examinasse
A anatomia de um corpo…

(E nem que fosse o meu corpo!)

Sinto uma dor infinita
Das ruas de Água Branca
Onde jamais passarei…

Há tanta esquina esquisita,
Tanta nuança de paredes,
Há tanta moça bonita
Nas ruas que não andei
(E ha uma rua encantada
Que nem em sonhos sonhei…)

Quando eu for, um dia desses,
Poeira ou folha levada
No vento da madrugada,
Serei um pouco do nada
Invisível, delicioso

Que faz com que o teu ar
Pareça mais um olhar,
Suave mistério amoroso,
Cidade de meu andar
(Deste já tão longo andar!)

E talvez de meu repouso…

História

Em 1877, os irmãos José Miguel, Antônio Miguel, Joaquim Floriano e João Ferreira de Sousa, fugindo da seca que assolava o Estado do Ceará, chegaram na região de Água Branca e se agregaram às terras do Major Antônio Pereira Lopes, no lugar Lagoa da Vida, onde trabalharam até 1886.

José Miguel veio a adquirir uma gleba das terras de Pereira Lopes, a que deu o nome de Lagoa do Gato, pela existência de várias espécies do felino no local.

Ao iniciarem os trabalhos de exploração da terra, encontraram água bastante leitosa, que deu origem ao nome Água Branca. Com terras propícias para a lavoura, Água Branca transformou-se em próspero povoado do Município de Regeneração, passando posteriormente, a integrar a jurisdição de São Pedro do Piauí.

Os primeiros comerciantes a se estabelecerem em Água Branca foram: Joaquim Gomes Calado e Manoel Evangelista de Sousa, que iniciaram movimento visando sua emancipação política. Em 1954, Água Branca foi elevada à categoria de Município, instalado em julho do mesmo ano.

Água Branca localiza-se na Região do Médio Parnaíba Piauiense, a 96 Km de Teresina, capital do Estado. Tem aproximadamente 19 mil habitantes e devido a forte economia do seu comércio é conhecida como “Capital Econômica do Médio Parnaíba”. Quem nasce em Água Branca é chamado de aguabranquense.

Formação Administrativa:

Elevado à categoria de município e distrito com a denominação de Água Branca, pela lei estadual nº 979, de 30-04-1954, desmembrado de São Pedro do Piauí. Sede no atual distrito de Água Branca ex-povoado. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-07-1954.