Teresina! Justiça suspende obras da Ponte do Meio após ação do Ministério Público

O Ministério Público Estadual (MPE) informou, na tarde desta sexta-feira (16), que conseguiu na Justiça uma liminar suspendendo as obras da Ponte Juscelino Kubitschek – a Ponte do Meio -, que liga as Avenidas Frei Serafim e João XXXIII, em Teresina. A ação cautelar foi proposta pelos promotores de Justiça Sávio Carvalho e Denise Aguiar.

“Ainda na tarde de hoje, o Poder Judiciário deferiu liminar para ação elaborada pelas Promotorias de Justiça, determinando que as obras sejam imediatamente suspensas até que sejam apresentados os documentos complementares, como a sondagem do terreno, o projeto de sinalização viária, o estudo do impacto sobre o patrimônio histórico e cultural, o memorial descritivo e as novas rotas, dentre outros”, diz o MPE em nota à imprensa.

Segundo o Ministério Público Estadual, ainda em setembro, os representantes do MP solicitaram que a Secretaria de Estado de Transportes apresentasse esclarecimentos sobre a obra, já que os projetos encaminhados anteriormente omitiam diversas informações importantes, principalmente no que se refere às alterações no canteiro central da Avenida Frei Serafim.

O MPE disse que vários gráficos estão ilegíveis e que os projetos não esclarecem quais seriam as novas rotas e como seriam alocadas as paradas para recepção de passageiros, já que elas teriam que ser remanejadas para os canteiros centrais da Frei Serafim e da João XXIII. 

“Os Promotores de Justiça fixaram o prazo de dez dias para que fossem encaminhadas as informações complementares, mas até hoje, exatamente um mês depois, a Setrans não respondeu ao requerimento”, diz o MPE.

O Ministério Público argumenta que a transferência das paradas de ônibus poderia resultar no sacrifício de várias árvores, o que acarretaria malefícios em diversos aspectos, sobretudo no que refere às temperaturas, à qualidade do ar, ao controle de ruídos e à paisagem. 

“Prosseguir com as obras sem um projeto que esclareça de que forma todo o entorno será afetado seria assumir um alto risco de produção de danos irreparáveis, que atingiriam toda a população. A comunidade tem o direito de saber como os trabalhos serão conduzidos”, frisa a Promotora Denise Aguiar.

O MP diz ainda que os projetos da Setrans sequer comprovam a eficiência das alterações, já que as novas pistas de rolamento seriam estranguladas na conjunção com as avenidas, que só possuem três faixas na maior parte de sua extensão. 

“O projeto não informa os novos trajetos dos ônibus que circularão pelas novas faixas, uma vez que estes não poderão acessar as vias transversais à Avenida Frei Serafim sem obstruir o fluxo dos demais veículos”, informa o parecer da equipe de Arquitetura e Urbanismo do MP.

%d blogueiros gostam disto: