Com excelentes resultados, educação pública de Teresina é exemplo para o Brasil

A educação pública de Teresina não para de surpreender. Resultado de investimentos e planejamento, hoje a capital piauiense é destaque nacional pela revolução que transforma a vida dos estudantes.

No começo deste mês, a sociedade teresinense comemorou a divulgação dos dados do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), que leva ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) e traz o município como o melhor em educação pública das capitais brasileiras.

A Prefeitura de Teresina estava na terceira posição e agora ostenta o título de melhor educação pública. Isso é reflexo de um esforço de décadas que transformaram a capital piauiense numa referência para todo país.

A Secretaria Municipal de Educação (Semec) atribui as conquistas a um amplo investimento em planejamento, formação de professores, avaliação e monitoramento, além da utilização dos recursos em construções e reformas de escolas, climatização, infraestrutura que garanta mais conforto e segurança para os alunos.

Tudo isso é fruto de um planejamento a longo prazo, investimentos na educação e um sistema que permite o aprendizado do aluno.

DESTAQUE NACIONAL
Jornal Nacional, Rede Globo, mostrou que a união de vários setores da comunidade pode transformar o ensino e o exemplo vem de Teresina.

Nada de monotonia na sala de aula. Aulas atrativas e jogos de raciocínios fazem parte do currículo escolar.

“A gente soma a pontuação para ver quem tem mais ponto, assim ajuda também na matemática para fazer os cálculos”, conta Bruno Ruan de Sousa, de 10 anos.

A escola José Camilo da Silveira Filho é uma das 149 escolas de rede municipal de Teresina que participaram da última Avaliação Nacional da Educação Básica. Juntas elas alcançaram o melhor Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) entre as capitais do Brasil e já superaram a meta que o MEC estipulou para o município até 2021.

    Imagem: Reprodução/Jornal Nacional

Para chegar nesse resultado, toda a rede municipal de ensino passa por capacitação de professores e avaliação periódica do aprendizado dos alunos. Quem tem mais dificuldade, recebe reforço.

“A gente procura formar primeiro nossas crianças como leitores. A partir das habilidades de leitura consolidadas é que a gente vai conseguir contemplar os conteúdos curriculares”, explica o professor de português Alex Alves.

Há mais ou menos dois anos a escola não fecha mais aos fins de semana. Ela abre as portas para a comunidade e oferece atividades esportivas e culturais, reforçando assim, uma bela parceria com a família dos alunos.

“Os pais se uniram com a direção e todos se uniram em prol de ajudar as crianças, e isso tem sortido efeito”, diz Ana Cristina Aguiar, mãe de aluno.

    Imagem: Reprodução/Jornal Nacional

Na última década, o Ideb da rede municipal só cresceu, e de 2015 para cá deu um salto. Mais gente chegou para ajudar e de forma voluntária. Em 2014, a Comunitas, que reúne líderes empresariais, entrou nesse processo para descobrir o que deu certo para não parar esse crescimento.

“A educação realmente tem que ser blindada de todo processo de mudança de período de governo ou de gestores, de líderes políticos, para que realmente sejam projetos de sociedade, para que os resultados sejam mantidos, acompanhados e que eles possam evoluir ao longo do tempo”, afirma Regina Esteves, diretora-presidente da Comunitas.

“Todas as crianças deviam ter essa mesma chance de estudar numa escola boa, capacitada, para elas terem um ensino melhor”, diz Maria Vitória Martins, de 10 anos.

MEDALHAS EM OLIMPÍADAS
Teresina disparou mais uma vez no quadro de medalhas de uma competição educacional a nível nacional. A Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) e a Agência Espacial Brasileira (AEB), que divulgaram o resultado da 21ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) 2018. A capital foi destaque com o número de alunos de Escolas Municipais premiados, conquistando 127 medalhas, sendo 44 de ouro, 45 de prata e 38 de bronze.

Os estudantes da Rede Pública Municipal também conquistaram 53 medalhas na 12ª Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG), sendo 14 medalhas de ouro e 39 medalhas de bronze. A entrega das medalhas acontecerá no dia 15 de dezembro.

    Créditos: Ascom

Isabela da Silva Sousa é estudante do 8º ano, da Escola Municipal Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e conquistou medalha de ouro na Mostra de Foguetes e medalha de bronze na Olimpíada de Astronomia. “Eu estudei bastante para alcançar esses resultados. Ter ganhado medalha na OBA e na MOBFOG foi uma realização indescritível porque eu não me achava capaz de ir tão longe em tão pouco tempo. O incentivo na minha escola, da direção e dos meus colegas; no cidade Olímpica, da equipe de professores e em casa foram diários e isso me deu bastante entusiasmo para estudar e me preparar cada vez mais”, conta a estudante.

Isabela diz ainda que também se preparou bastante para participar da Mostra de Foguetes. “Foram dias e dias de oficina para construir os mais potentes e que fossem mais longe foguetes. Fiquei bastante feliz com os resultados. Sempre fui bastante interessada nessa área da ciência. O incentivo foi bastante importante para essas duas conquistas e o Cidade Olímpica me forneceu um grande conhecimento. Só tenho que comemorar os resultados”, conclui.

Ana Allycia Ferreira Rocha, estudante do 9º ano da Escola Municipal Vereador José Ommati, conquistou ouro na OBA e na MOBFOG. “Para conquistar medalha de ouro na OBA é necessário se esforçar bastante, precisa abdicar de muitas coisas. O Cidade Olímpica além de incentivar bastante os estudos, nos oferece desafios que nos ajudam a melhorar. Quanto aos foguetes, as professoras nos orientaram como fazer, além de terem nos levado para observar e realizar o lançamento na Universidade Federal do Piauí (UFPI). Assim me preparei bastante e estou muito feliz com os resultados”, declara.

As competições envolveram estudantes do ensino fundamental e médio de escolas públicas e particulares de todo o Brasil, com o objetivo de despertar nos jovens o interesse pela ciência.

O primeiro contato dos estudantes da Rede Municipal de Teresina com a Astronomia e a Astronáutica é através do Programa Cidade Olímpica Educacional (COE), que promove aulas de aprofundamento em disciplinas específicas aos sábados. Com laboratório para as experiências e simulados baseados nas principais competições de conhecimento, o Programa prepara campeões para chegarem cada vez mais longe. A equipe que ministra aulas sobre a disciplina de Astronomia do COE também estive realizando aulas de aprofundamento dos conteúdos para os alunos da Rede Municipal que possuem interesse pela disciplina e queriam participar da competição.

INVESTIMENTO NA EDUCAÇÃO
O planejamento financeiro é um dos pontos de destaque para o sucesso da educação municipal. Apesar de Teresina ser uma das capitais com menor Produto Interno Bruto (PIB), os resultados na área da educação ultrapassam o desempenho das capitais mais ricas como São Paulo e Rio de Janeiro.

O feito tem intrigado pesquisadores de todo o país, que buscam descobrir quais os caminhos seguidos pelo município para otimizar o pouco recurso e avançar nas metas.

NOVOS INVESTIMENTOS
Para os próximos anos, o prefeito Firmino Filho anunciou que está concentrando os investimentos na educação infantil, em busca de garantir o bom desempenho dos alunos logo nos primeiros anos da vida escolar. Entre 2017 e 2019 serão 23 novos Centros Municipais de Educação Infantil construídos na cidade, já com berçário para atender crianças a partir de 6 meses de idade. Outra prioridade é a alfabetização dos alunos até os 6 anos. Com foco em leitura e escrita, a Semec tem trabalhado para começar a alfabetizar as crianças ainda na educação infantil, para que leiam com fluência no 1º ano do ensino fundamental.

“Educação sempre foi nossa obsessão. Trabalhamos para alcançar excelência, oferecer não só educação de qualidade para as crianças, mas a melhor educação do país. Não foi sorte, não foi de repente, chegamos até aqui por meio de muito trabalho, esforço, estudo e dedicação, sabendo que o planejamento sistematizado dá bons frutos, que sonhar alto é o primeiro passo para chegar aonde queremos”, completou Firmino Filho.

FORMAÇÃO DOS PROFESSORES
O Centro de Formação Professor Odilon Nunes é um dos espaços de maior orgulho da Prefeitura de Teresina. Localizado no bairro Marquês, conta com um cronograma diário de oficinas, capacitações e reuniões de planejamento. “Todos os dias temos professores em formação. Essa organização permite que saibamos exatamente o que está sendo ensinado e onde estão as dificuldades dos alunos. A avaliação e o monitoramento são os outros pilares desse trabalho. Investimos muito nisso e os resultados mostram que estamos no caminho certo. Nas escolas da Prefeitura os professores ensinam e os alunos realmente aprendem”, afirma a secretária executiva de Ensino da Semec, Irene Lustosa.

PROFESSORES E GESTORES COMPROMETIDOS
Segundo o secretário Kleber Montezuma, a ação garante que os alunos desenvolvam melhor suas habilidades nos anos seguintes. “É com essa idade que os filhos dos ricos começam a ler, então o filho do trabalhador também poderá fazer isso, preparando-se para avançar nas demais habilidades. Todas essas conquistas são possíveis quando temos uma equipe de professores e gestores comprometida com o aprendizado das crianças, onde garantimos o direito de terem 200 dias letivos por ano”, diz.

IMPORTÂNCIA DO PROFESSOR
Irene Lustosa, explica que pontos foram essenciais para que a Prefeitura de Teresina alcançasse esta vitória.

“A primeira coisa que esse resultado diz para a gente é que quando os professores ensinam, os alunos aprendem. E isso é uma coisa muito importante que deve ser dita, esses alunos mesmo sendo alunos de escola pública eles têm um potencial de aprendizado muito grande e aqui em Teresina fizemos toda uma política educacional que levou em consideração isso, partiu do pressuposto de que os alunos aprendem e que eles têm o direito de aprender”, diz.

“O professor ele não dá aula com base naquilo que ele acha que deve ser ensinado, mas com aquilo que o aluno precisa aprender. Existe um currículo, mas se o aluno não está conseguindo acompanhar, o professor precisa parar e planejar sua aula para que ele possa recuperar o que foi perdido em algum momento”, completa Irene.

MONITORAMENTO CONSTANTE
“Temos aqui na rede no conjunto de escolas, uma política de monitoramento muito forte onde a gente faz o acompanhamento das ações que são implementadas pela rede. Planejamos, avaliamos e acompanhamos como está sendo a execução disso. Fora isso, temos uma equipe que é muito responsável, bastante comprometida e quando falo equipe, destaco a ação dos professores, diretores das escolas e dos coordenadores pedagógicos. Então temos uma equipe escolar bastante engajada para fazer o aluno aprender. Temos também a equipe técnica da secretaria que é quem da todo o suporte, então a escola não está sozinha”, conclui Irene Lustosa.

ESTUDANTES SATISFEITOS
A estudante Luana Nascimento, da Escola Municipal Padre Ângelo Imperialli, fez seu comentário sobre as escolas da prefeitura.

“Os professores nos incentivam muito, sempre dizem que podemos aprender mais. Amo minha escola e estou muito feliz com a nota, pois mostra que alcançamos os objetivos. O aluno só aprende se estiver na sala de aula todo dia”, concluiu.

Comentários estão fechados.