CRISE ADMINISTRATIVA: FMS reconhece a dívida de R$ 150 milhões para fornecedores e Ministério Público exige solução.


Após denúncias de falta de remédios e insumos no HUT, que coloca em deficiência a nutrição dos internados e com a revolta do povo nas redes sociais sobre a má gestão do atual prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, o Ministério Público efetuou uma inspeção e constatou uma dívida de R$ 150 milhões de reais.

A crise administrativa que assola a prefeitura de Teresina na gestão do Dr. Pessoa vai da Saúde ao transporte público municipal, passando pela mobilidade urbana com ruas esburacadas, obras de grande porte inacabadas, colégios e CMEIs abandonados.

De acordo com o Ministério Público do Piauí, a Prefeitura de Teresina terá 10 dias para começar a quitar parte da dívida que tem com os fornecedores de insumos e medicamentos para os hospitais. Para isso, serão remanejados R$ 10 milhões da Strans para a Fundação Municipal de Saúde. O promotor Eny Pontes também ressaltou que não sabia do montante total da dívida, mas que diante do que presenciou dos diretores dos hospitais se socorrerem da Fundação para comprar medicamentos. A FMS na gestão do Dr. Pessoa não tem repassado os insumos e medicamentos para os hospitais de Teresina.

DENÚNCIAS 

Hoje (16),  foi realizado uma audiência da comissão especial de apuração sobre irregularidades na Fundação Municipal de Saúde (FMS), na Câmara Municipal.

Na ocasião, estiveram presentes o vice-prefeito Robert Rios, o Promotor de Justiça e Subprocurador-geral de justiça jurídico do MPPI, Dr. João Malato Neto, vereadores e vereadoras de Teresina. Foi discutido um relatório da controladoria interna da prefeitura, que fez uma auditoria na Fundação Municipal de Saúde em 2021. A câmara municipal é um órgão fiscalizador e por isso vamos analisar esse relatório para termos os passos seguintes.

Deixe um comentário